© 2017 por Sem Muros.

Como Ler a Paisagem. Permaculture Apprentice

TRADUÇÃO: PEDRO SOUZA

 

REVISÃO: TOMAZ LOTUFO

 

Vamos ser honestos: criar animais e cultivar plantas é difícil; é uma dos caminhos mais difíceis que alguém pode trilhar. É difícil fisicamente e mentalmente, há um grande grau de incerteza, e se isso não é o suficiente, os outros estão constantemente julgando e questionando a sua escolha de vida.

      Então, como você pode ser um bom agricultor com essas pressões vindas de todas as direções sem enlouquecer e “jogar a toalha” eventualmente? Bom, ao contrário da agricultura tradicional, a permacultura te dá a vantagem de trabalhar de forma coerente com o meio.

Na agricultura convencional, a natureza é tratada como um escravo. Fazendeiros convencionais tendem a impor o que eles querem ver na paisagem sem primeiro consultar o ambiente natural. Há uma certa quantidade que a natureza pode produzir sem reclamar. Isso é muito desrespeitoso, mas é assim que tem sido por centenas de anos, e não é surpreendente que a natureza dificulte as suas vidas.

      Eu não estou aqui para dizer que ser um permacultor é a opção fácil, mas essa posição pode ser muito menos exigente em vários aspectos... você sabe por que? Porque um dos princípios mais importantes da permacultura é trabalhar com a natureza ao invés de se opor a ela. Isso significa jogar de acordo com as regras da natureza, aproveitando o poder dos sistemas naturais e direcionando eles ao invés de tentar fazer a natureza se curvar artificialmente de acordo com os seus desejos.

      Mas para entender quais são as regras do jogo, você precisa, como diz Sepp Holzer, “ler do livro da natureza”. Essencialmente, você precisa aprender a interpretar a paisagem. Quando você conseguir decifrar os padrões da natureza, poderá utilizar essa informação para desenhar sistemas que replicam os princípios da natureza e os seus ecossistemas locais.

      Esses sistemas são muito mais fáceis de manter e muito mais produtivos por hectare do que os desertos de monocultura tóxicos e ineficientes desprovidos de vida e diversidade. A conclusão é que você economizará tempo e trabalho desnecessário, e dará um bom exemplo ao seu vizinho, que pode ser um produtor rural tradicional. Bom, vamos ver como ler do livro da natureza.

 

A BELEZA DO TERRENO (PAISAGEM)

 

      Se você for ao ar livre e olhar a sua volta, tudo o que você vê, todas as características de uma área de terra, esse é o terreno, ou melhor, a paisagem. Isso inclui os elementos físicos como montanhas e colinas, corpos aquáticos como rios, lagos, lagoas e o mar, elementos vivos que cobrem a terra, vegetação e a vida selvagem (incluindo humanos), além de elementos afetados pelo clima e as estações como a iluminação e as condições climáticas.

      Apesar de os humanos serem uma espécie-chave neste planeta que têm deixado uma marca permanente nele a mais de 10,000 anos, eu não irei focar muito em elementos feitos pelo homem (construções e estruturas). Ao invés disso, nós vamos olhar para a própria natureza e para alguns aspectos de diferentes formas de usar a terra. Se a natureza selvagem tivesse sido deixada sozinha, praticamente toda a terra seria ocupada por florestas, bosques e savanas, mas nós estamos fazendo todo o esforço possível para impedir as suas tentativas de dominar o mundo.

      De acordo com Robert G. Bailey e o seu livro Ecosystem Geography:  from Ecoregions to Sites (Geografia de Ecossistemas; de Eco-Regiões para Locais), o terreno e os seus ecossistemas são formados por uma interação entre o clima (padrões climáticos, água), o relevo (rochas e a forma do terreno), o solo e os elementos vivos (vegetação e vida selvagem). Todo terreno é um sistema completo composto por esses elementos, ou partes deles, e nós vamos analisá-los um por um.

      Todos nós já ouvimos que a chave da permacultura é a boa observação, e idealmente, você não deve fazer nada além disso por cerca de um ano. Ao invés disso, você deve meramente se familiarizar com as quatro estações, a sua transição, e entender o clima local e os padrões ambientais. Apesar disso, ao entender a paisagem, é também importante que você esteja engajado ativamente e andando pelo local, conduzindo análises, observado como é o solo, quais são as plantas crescendo no local em que você deseja trabalhar e nas áreas selvagens, e por aí vai...

      Com isso em mente, vamos ao que interessa....

 

PADRÕES CLIMÁTICOS

 

      O componente primário da paisagem e o mais fácil de analisar, é o tempo e os seus padrões. O tempo, um dos tópicos comentados de forma mais superficial, é definido como o estado presente da atmosfera – o grau de calor ou frio, secura ou humidade, calmaria ou tempestade, nebulosidade ou claridade. Já o clima, este é definido pelas condições atmosféricas que prevalecem em uma área de forma geral ou ao longo de um período de tempo significativo, (geralmente ao longo de um intervalo de 30 anos), mas aqui, o nosso foco será apenas no tempo.

      O tempo é movido pela diferença de pressão atmosférica, temperatura e humidade entre um local e outro. Essas diferenças ocorrem devido ao sol, ou mais precisamente, o ângulo do sol em relação a um ponto particular, que varia de acordo com a latitude em relação ao equador. Pode parecer surpreendente, mas é por isso que nós temos ventos, tempestades, neve e uma grande diversidade de padrões que tornam o mundo um local tão variado. Se a terra fosse plana, nenhuma dessas dinâmicas seria possível.

-Analise a exposição ao sol de um local ao longo de cada estação

      O nosso sol é a razão pela qual temos o clima, tempo, o ciclo da água e a vida de forma geral. Devido a isso, o sol é muito importante na análise do terreno e seus padrões de tempo. O primeiro passo para ler o terreno é observar a exposição solar que locais recebem ao longo de cada estação. Isso significa observar quantas horas de sol cada pedaço do terreno recebem ao longo do ano e seguir o caminho dos raios solares por estes lugares.

-Observe os tipos e direções de vento que dominam em cada estação

      Depois disso, você deve estar ciente dos tipos e direções de vento dominantes em cada estação. Geralmente, o tempo ruim vem da mesma direção, e é precedido pelo vento. Aqui onde eu moro por exemplo, no sudeste europeu, os ventos que trazem a chuva geralmente vem do noroeste. Da mesma forma, os ventos frios do inverno também se repetem. Ao entender esses padrões do vento, você será capaz de prever o que vai acontecer com dias de antecedência.

-Observe como a precipitação é distribuída ao longo do ano

      Finalmente, a precipitação (Chuva, neve, orvalho), e a falta dela, é outro padrão importante do qual você deve estar ciente. Observe como a precipitação é distribuída ao longo do ano, o que geralmente é medido em milímetros/polegadas. Você deve prestar atenção especial a ocorrências de eventos extremos como chuva pesada, tempestades de raios e secas. Esses são eventos que contribuem de forma significativa para a formação do terreno.

 

RELEVO

 

      No nível do solo, é o formato do terreno que afeta o microclima e os padrões da água, drenagem, solo e acesso.

      A forma mais fácil de ter uma ideia das características do relevo de uma área é arranjar um mapa topográfico. Isso te dará uma vista de cima do relevo, e ao olhar para as linhas de contorno, você entenderá melhor as diferentes elevações e como elas mudam. A partir dessas linhas de contorno, você pode analisar o relevo ao reconhecer seis de suas características principais: declives, colinas, selas, cumes, vales e depressões. Já existem muitos bons recursos ensinado a ler mapas topográficos, então eu não vou me aprofundar neste tema aqui.

- Analise o terreno e a sua forma – ele é composto principalmente por planícies, ou planícies e montanhas ou colinas gentis..?

      Com um bom mapa topográfico em suas mãos, a primeira coisa que você irá observar é a forma do terreno – ele é plano, há colinas, vales e depressões? Formas de relevo, com exceção das planas, são divididas em vales e cumes, onde os cumes representam os pontos mais altos do terreno e os vales são as áreas entre os cumes. Então olhe para o terreno e para a sua forma, ele é composto principalmente por planícies, ou planícies e montanhas ou colinas gentis..?(suaves)

-Descubra a elevação geral do terreno

      A seguir, observe a elevação geral do terreno. A elevação é um fator microclimático importante – para cada cem metros de elevação, e temperatura cai em um grau Célsius. Se o terreno que você está observando se estende ao longo de uma área com diferenças de centenas de metros de altitude, ele terá diferentes zonas de temperatura. Uma maneira de observar essa diferença de temperatura é comparar o ciclo anual de uma espécie de planta crescendo em diferentes altitudes. Você verá que quanto maior a altitude, mais tarde chega a primavera para as plantas.

-Observe as mudanças de elevação; a curvatura do terreno

      Depois disso, observe como essa elevação muda, a curvatura do terreno – os declives são inclinados ou suaves? A inclinação dos declives é um fator crítico ao determinar o seu propósito final. Um declive com uma inclinação de 18% por exemplo, é bom para florestas. Declives com uma inclinação entre 10% e 18% devem ter uma cobertura perene, e não devem ser cultivados anualmente, embora você possa usar swales e agricultura anual sem um risco significativo de erosão em qualquer local com uma inclinação menor do que 10%.

-Note os declives e como eles estão orientados em relação ao sol

      Finalmente, note os aspectos dos declives, e como eles estão orientados em relação ao sol. Eles estão direcionados ao norte, sul, leste ou oeste? Isso influência as condições do local devido a quantidade de sol direto que ele recebe. Declives que estão na direção do sol recebem maior quantidade de sol; se eles estão em direção ao leste, a maior temperatura será atingida durante a manhã. Se eles estão em direção ao oeste, a maior temperatura será atingida de tarde. Um declive na direção mais sombreada recebe pouca radiação solar.

 

ROCHAS

 

      Rochas são a coluna do terreno. Se você realmente quer entender o terreno, você deve entender os tipos de rochas que o compõe. Ao entender as rochas, você entenderá melhor o aquífero subterrâneo, a geologia geral e as características do solo. A natureza da rocha tem um efeito significativo na natureza do solo, que por sua vez, afeta a vegetação. De certa forma, a vegetação que você vê é uma expressão das rochas que estão por baixo.

      A forma primária, o contorno do terreno, é consequência das forças tectônicas da Terra. A origem dessas forças, a energia que as alimenta, vem das profundezas, do centro derretido do nosso planeta. Todas as montanhas e áreas de terra plana que você vê hoje são, de alguma forma, o resultado direto dessas forças tectônicas que têm dado forma à Terra constantemente ao longo de milhões de anos.

      Esses processos geológicos nos trazem rochas, a matéria original que formou o terreno. Apesar disso, devido ao processo de erosão, nós chegamos a um ponto em que, em alguns lugares, mal conseguimos ver as rochas, que estão cobertas por solo. Há três tipos de rochas (ígnea, sedimentária e metamórfica), que são constantemente criadas, erodidas e recicladas no interminável ciclo das rochas.

-Procure por afloramentos rochosos e observe o tipo da rocha matriz.

      Apesar de ser um geólogo, eu não quero dar aqui uma aula de geologia. Tudo que você precisa saber, é que de uma perspectiva prática, as rochas têm uma influência enorme no terreno. O que você pode fazer como um amador, é procurar por afloramentos rochosos e observar o tipo de rocha matriz presente.

      Ao analisar esse material matriz e o tipo de rocha de que ele é composto, você entenderá melhor o terreno a sua volta e sob os seus pés. Como eu disse, as rochas têm uma influência enorme no terreno, e isso se manifesta de três formas principais.

      Rochas mais duras formam colinas, e rochas menos duras formam vales, o que é uma consequência direta das forças geológicas e do desgaste. Nós encontramos rochas menos duras ao longo de linhas de fratura onde elas ruíram e foram transportadas pela água, formando um vale. Pedras mais duras, em contraste, tendem a se desgastar e erodir mais lentamente, formando colinas. Isso de forma geral.

      Algumas rochas seguram a água e outras não. Um terreno de rochas impermeáveis terá escorrimento e fluxos de água na superfície, enquanto um terreno de rochas permeáveis geralmente é seco com a presença de buracos e sumidouros. O calcário, por exemplo, é uma rocha muito porosa, que pode armazenar uma quantia considerável de água. Se a rocha matriz do seu terreno é composta de calcário, há uma grande chance de que existem nele vários aquíferos subterrâneos que você não conhece.

      Enquanto algumas rochas criam um solo rico em nutrientes, outras criam um solo com poucos nutrientes. Rochas vulcânicas, por exemplo, geram um solo extremamente rico quando geradas por uma atividade vulcânica “recente”. Já rochas antigas, tendem a gerar solos mais pobres.

-Analise a aparência geral das rochas do terreno

      Rochas podem nos contar histórias de milhões de anos, mas a não ser que você saiba interpretá-las, uma rocha é uma rocha. Mesmo um geólogo treinado pode se sentir relativamente perdido ao chegar a uma área nova, enquanto para a maior parte das pessoas, um período de milhões de anos é longo demais para ser entendido. É o desgaste das rochas, porém, que pode te contar histórias de eventos mais “recentes”, como a de um rio erodindo uma ravina, chuva arredondando picos de calcário ou condições desérticas criando uma paisagem de aparência irregular.

 

ÁGUA

 

      O próximo componente significativo do terreno, a água, é sem dúvida uma das forças principais que formam o terreno. A água é um movimento continuo, tanto acima quanto abaixo da superfície da Terra, no que nós chamamos de ciclo da água. Aqui, para simplificar, nós vamos nos focar na água que escorre pela superfície e nos lençóis freáticos.

-Descubra em que parte da bacia hidrográfica você está localizado

      O primeiro passo para entender o movimento da água no terreno é alargar a sua visão e olhar para a bacia hidrográfica. Todo pedaço de terra pertence à alguma bacia hidrográfica, que é definida como uma área de terra por onde a água da chuva e da neve escorre das barreiras geográficas mais altas como colinas, ladeiras e barrancos até um ponto baixo específico, geralmente um corpo de água afluente que leva a um rio ou lago maior.

      A maneira que o seu terreno será afetado por essa parte do ciclo da água depende da parte da bacia hidrográfica em que ele está localizado. Nas áreas mais altas, você terá um fluxo baixo de água, enquanto nas áreas mais baixas o fluxo é significativamente maior. Então, pense onde o seu terreno se encaixa na bacia hidrográfica, use mapas topográficos para achar as linhas de divisão da água como, por exemplo, os cumes principais do terreno. Assim, você encontrará os limites da bacia hidrográfica.

      Com essa imagem da bacia hidrográfica em mente, vamos passar para as manifestações específicas da água no terreno, lençóis freáticos e a água que corre pela superfície. Quando chove, gotas de água caem sobre o solo. As plantas que estão no solo sugam a água alegremente até que a sua necessidade de água seja satisfeita, e o excesso de água infiltra o solo e chega ao nível freático.

-Obtenha uma ideia geral do nível freático

      Abaixo do nível freático, todas as aberturas nas rochas estão cheias de água. Acima dele, há uma área que fica periodicamente saturada ou encharcada dependendo do nível de precipitação. Uma vez que a água tenha chegado ao nível freático, ela é levada através do aquífero para riachos, fontes, poços ou outros corpos de água.

      A maneira em que os lençóis freáticos se movimentam por baixo da terra depende da propriedade das rochas, já que rochas diferentes tem níveis de permeabilidade diferentes. Em relevos cársticos  (relevo geológico caracterizado pele dissolução química das rochas) por exemplo, é possível que hajam rios subterrâneos, enquanto em terrenos com rochas menos permeáveis como granito, haverá água apenas em fraturas e rachaduras nas rochas. Apesar de ser difícil de identificar onde e em que profundidade está a água subterrânea sem cavar um poço, nós podemos procurar por ocorrências de água na superfície.

-Procure por fontes e por locais por onde a água subterrânea vaza na superfície

      Procure por fontes e vazamentos de água subterrânea no terreno, que estarão presentes onde a água subterrânea de um aquífero local encontra a superfície. Essencialmente, tanto os vazamentos quanto as nascentes são fontes, mas os vazamentos têm um fluxo menor de água. Independente disso, os lençóis freáticos se movem naturalmente através da rocha porosa e por buracos e pontos fracos da rocha matriz, chegando assim até a superfície. Ao encontrar os pontos onde esse encontro ocorre, você entenderá melhor a água subterrânea do seu terreno.

-Procure por outras fontes naturais de água como lagoas e lagos

      Procurar por outras fontes naturais de água como lagos e lagoas também pode te revelar algo sobre o terreno. Mas que a verdade seja dita, pode ser difícil de distinguir uma lagoa artificial de uma completamente natural. Talvez essa lagoa ou lago esteja em uma parte tão baixa do terreno que o que você está vendo está integrado a água subterrânea. Lagoas e lagos naturais são relativamente raros. Se há uma lagoa no seu terreno, há uma alta chance de que ela seja feita pelo homem e preenchida pela água que escorre pela superfície ou pela água de um poço.

-Procure por pequenos riachos, córregos e rios

      Uma vez que a chuva tenha excedido a capacidade de absorção do solo (quando o solo e as plantas já têm água suficiente e o excesso se infiltrou no solo e se juntou ao lençol freático), surge o escorrimento superficial. Esse escorrimento pode tomar a forma de pequenos riachos, córregos, rios, etc. Esse processo depende da localização do terreno em relação a bacia hidrográfica. Como mencionado anteriormente, você pode ter um córrego ou rio, ou mesmo nada se você estiver no topo da montanha.

-Analise o padrão geral de drenagem da água

      A não ser que você esteja em uma planície aluvial em uma área totalmente plana, pequenos riachos e córregos provavelmente escorrem pelo terreno. Se esse é o caso, observe os seus padrões. Eles são perenes ou sazonais? Qual é o padrão geral de drenagem da água, e como a água escorre pelo terreno? Observe onde ela estagna, flui lentamente ou causa erosão, onde estão as áreas secas, as pantanosas e as que tendem a se alagar.

 

SOLO

 

      A maior parte das plantas obtêm os seus nutrientes do solo. Essas plantas então se tornam a principal fonte de alimento para vários animais. Sendo assim, a maior parte dos organismos vivos terrestres dependem do solo para a sua existência. O solo é a camada fina de material que cobre a superfície da terra, e é formado pelo desgaste das rochas. Esse desgaste pode ser físico (abrasão, geada, mudanças de temperatura), químico (mudanças na composição química) ou biológico (causado por seres vivos).

      O material desgastado é então acumulado, formado e transportado para outro local pela ação da água, vento e da gravidade e acumulado longe de onde se formou. Esse processo de formação do solo pode ser extremamente devagar, podendo levar dezenas de milhares de anos. A medida que o solo se desenvolve ao longo do tempo, ele forma camadas (ou horizontes). O conjunto dos horizontes é chamado de perfil do solo (mais sobre isso à frente).

      O solo é composto primariamente por partículas minerais, mas também por materiais orgânicos, água, ar e organismos vivos – todos os componentes interagindo lentamente, mas constantemente. Surpreendentemente, um solo bom e saudável tem cerca de 25% de ar em sua composição.

      O tipo e quantidade do solo dependem de vários fatores como o tipo da rocha matriz, a presença ou ausência de organismos vivos, o tipo de clima e formato do terreno. Interações entre todos esses fatores ao longo de um período de tempo produzem uma variedade infinita de solos. Então, para entender as características do solo, você precisa sujar as suas mãos.

-Cave poços e examine o perfil do solo

      A maneira mais fácil de avaliar o seu solo é cavando poços ao longo do terreno, então eu te encorajo a pegar a sua pá e picareta e começar a cavar. A medida em que você começar a cavar profundamente, verá que o solo é composto de camadas ou horizontes que compõe o perfil do solo. Você deve primeiramente analisar o perfil do solo.

      Cada perfil conta uma história sobre a vida do solo, e apesar de alguns solos terem horizontes fáceis de distinguir enquanto em outros solos a distinção é difícil, quase todos os perfis podem ser divididos em duas camadas principais: o solo superficial e o subsolo. Então, analise o perfil do solo, descubra quais são os horizontes do solo, em que profundidade está a rocha matriz, se há subsolo, etc.

-Avalie a consistência e a textura do solo

      Depois, pegue um pouco do solo, aperte-o em suas mãos e sinta como ele é. Ele é solto, duro ou mole? E a sua textura, ela é argilosa, arenosa ou siltosa? A melhor maneira de analisar a textura do solo e de descobrir do que ele é composto é colocá-lo em uma jarra de água, chacoalhar a jarra e deixar os conteúdos se assentarem. As partículas de solo mais pesadas, como as de areia, vão se assentar primeiro. Depois as de silte, e depois de argila. Ao marcar cada nível com um marcador, você pode descobrir a percentagem de areia, silte e argila que compõe o solo, e assim classifica-lo.

-Determine a porosidade do solo

      Finalmente, enquanto você tem aquele poço cavado, poderá fazer um teste simples de drenagem. Tudo o que você tem que fazer é jogar água no poço que você cavou e observar quanto tempo leva para que a água seja absorvida pelo solo. Isso vai te mostrar a porosidade do solo e a sua capacidade de absorção de água. No meu caso, onde a rocha matriz é calcária, a água desaparece tão rapidamente quanto ela é derramada em alguns lugares. Em outros lugares com um pouco mais de argila, a água demora mais para desaparecer.

-Leve algumas amostras de solo para serem analisadas em um laboratório

       Quando você acabar de analisar as características físicas do solo, é bom levar pelo menos uma amostra de solo para ser analisada em um laboratório. Há vários tipos diferentes de testes. Você pode, por exemplo, testar a camada superficial para analisar a sua fertilidade, procurar sinais de contaminação, atividade biológica, cadeia alimentar do solo, PH, conteúdo de matéria orgânica, etc. Você também pode fazer alguns testes simples sozinho para analisar características do solo como o seu PH, microbiologia, etc.

 

VEGETAÇÃO

 

      Finalmente, chegamos a vegetação e a vida selvagem, a camada superior de vida. O seu bioma local com a sua vegetação e vida selvagem são primariamente um produto do clima e topografia do local. Com isso eu quero dizer que a temperatura e a humidade são as maiores influências no bioma, e esses dois fatores mais influentes são consequências diretas do seu clima. Esse clima é ainda modificado pela elevação e forma do terreno, que cria diferentes regimes de temperatura e humidade.

      Como nós vimos, a temperatura cai à medida que você sobe uma montanha, mas os padrões de precipitação também mudam. Olhe para o Kilimanjaro por exemplo. Localizada em uma área tropical, a montanha tem geleiras em seu topo – essa região polar da montanha só ocorre por causa da sua elevação.

-Determine em que bioma você está

      Quando você estiver conduzindo uma análise da vegetação, o bioma local é a primeira coisa da qual você deve estar ciente. Esse bioma pode ser, por exemplo, uma floresta tropical, temperada, taiga, planície, e assim vai. Quando você sabe qual é o bioma em que você está, é possível saber que tipo de vegetação você pode esperar encontrar.

-Classifique os tipos de cobertura vegetal que você vê

      Quando você estiver inspecionando o seu terreno visualmente, olhe quais são os tipos de cobertura vegetal que você vê (os padrões horizontais gerais de distribuição). Classifique o que você vê em florestas naturais com copas que se tocam, bosques com árvores cujas copas não se tocam, área arbustiva, savana de transição entre uma floresta e uma planície, planície, pasto, etc.

-Observe quão diversa é a vegetação e de quantas camadas verticais ela é composta

      Depois disso, olhe para as camadas e a diversidade da vegetação, e preste atenção na sua estrutura vertical. Camadas são outro aspecto de um nicho de plantas – diferentes plantas usam estratégias diferentes para sobreviver, e a camada que uma planta habita é uma parte básica do seu nicho, que é a maneira que ela se encaixa no ecossistema. Ao observar isso, olhe para o nível de diversidade da vegetação e veja de quantas camadas ela é composta. Há árvores altas cujas copas formam um dossel, árvores mais baixas e arbustos ocupando o espaço abaixo, cipós que se enroscam ao longo de troncos e galhos?

-Observe o estado atual de sucessão

      Essas camadas de vegetação representam os nichos das plantas no espaço, mas essa é apenas uma parte da história. A vegetação dos terrenos está constantemente mudando através de um processo conhecido como sucessão, e se uma camada é um nicho no espaço, a sucessão é um nicho no tempo.

      Patrick Whitefield (professor de permacultura britânico) descreve o processo de sucessão da seguinte maneira: se você imaginar um campo que é capinado e abandonado, o solo nu vai primeiramente ser colonizado por plantas pioneiras, incluindo várias anuais e bienais, que espalham suas sementes pelo espaço desocupado. Quando elas ocupam todo o espaço disponível para crescer, elas encontram dificuldades em semear mais plantas e as plantas perenes passam a dominar; esse é o início do estágio herbáceo e perene. Eventualmente, árvores e arbustos começam a emergir, fazendo o local avançar para o próximo estágio e formar um bosque, que eventualmente forma um clímax com árvores que ficarão lá por um bom tempo.

      Ao entender o estágio atual de sucessão (pastagem, matagal, bosque novo, bosque/floresta madura), você pode indiretamente saber mais sobre o histórico do cultivo da sua terra, e estimar como ela foi cultivada anteriormente.

-Note espécies de plantas que você reconhece

      Finalmente, note plantas no local que você reconhece. Preste atenção especial para plantas que estejam crescendo particularmente bem, porque elas, ou suas parentes, podem ser boas candidatas para a sua futura agrofloresta, ou talvez plantas que possam competir com os seus cultivos. Identificar essas espécies irá te ajudar a obter um entendimento melhor do seu bioma local e do que crescerá com facilidade. Replicar o seu bioma local é o principal fundamento da agricultura restaurativa ensinada por Mark Shepard.

 

VIDA SELVAGEM

 

      Finalmente, vamos falar sobre os seres vivos que habitam o terreno e ajudam a formá-lo. Sejam eles pequenos invertebrados reciclando o solo ou polinizando plantas, herbívoros pastando ou predadores que controlam a vida dos herbívoros, a vegetação que você vê ao seu redor é em grande parte produto da interação entre a vida selvagem e o terreno.

      Quase todos os animais tentarão fugir de nós. Mas alguns animais, os superpredadores, hesitam as vezes em fugir. Ao andar na parte da floresta a qual eu estou acostumado, fico sempre de olho para caso eu encontre uma mãe urso com filhotes, pois ursos não se intimidam facilmente.

      Os encontros que podem ocorrer com esses animais podem ser momentos de deleite ou pânico, mas ver um mamífero selvagem que não está correndo para longe de você é uma experiência rara. Geralmente, eles fazem de tudo para nos evitar. Mas há um aspecto importante a considerar. Há um superpredador ao qual você deve estar atento? Se esse for o caso, isso é algo bom, pois esse geralmente é um sinal de um ecossistema saudável.

-Descubra se há um superpredador no ecossistema

      Superpredadores estão no topo da cadeia alimentar, e seus únicos inimigos são os seres humanos. Eles são uma parte essencial de um ecossistema saudável porque eles mantêm o número de herbívoros em cheque. Eles fazem isso ao eliminar os animais fracos, lentos e que estão morrendo, e ao fazer isso aumentam a saúde da população desses animais como um todo. Eles também melhoram a saúde do ecossistema ao obrigar outros animais a se mover constantemente para evitar serem comidos. Pequenas plantas são deixadas para os herbívoros menores, há menos erosão e mais mudas crescem e se transformam em árvores. Por isso, superpredadores são importantes.

-Analise o habitat dos animais, sua diversidade e o tamanho de suas populações

      A segunda coisa a entender é que a diversidade de animais e o tamanho de suas populações é em grande parte determinado pelos padrões de vegetação dos quais nós falamos. Obviamente, você pode esperar encontrar animais diferentes nas copas das árvores e em um campo aberto e desolado. Muitos animais são fortemente dependentes do processo de sucessão, e de uma maneira parecida com as plantas, existem também espécies de animais pioneiros.

-Procure por sinais de pegadas, excrementos e “casas” de animais

      Como animais selvagens geralmente tentam nos evitar, você não deve depender da observação direta, e terá que procurar por sinais de sua presença. Suas pegadas, excrementos e “casas” podem ser distintivas. Se você está disposto a pesquisar que animais habitam a sua região e quais são os sinais que eles deixam, você conseguirá descobrir que animais habitam o seu terreno e como eles se comportam.

-Procure por sinais deixados por animais selvagens se alimentando

      Um dos sinais mais comuns e visíveis é aquele deixado pela alimentação. O sinal mais característico de uma população de veados, por exemplo, é a linha que eles deixam ao comer todas as folhas e pequenos galhos que eles conseguem alcançar. Acima da linha a vegetação pode ser densa, mais abaixo dela não há nada além de troncos e galhos sem folhas. Enquanto maior a população local de veados, mais evidente é essa linha.

 

JUNTANDO OS ELEMENTOS

 

      Quando você estiver lendo o terreno, você deve combinar todas as suas descobertas e formular uma imagem mais detalhada do local e de seus diversos microclimas, sistemas de terra (áreas com padrões recorrentes de terreno, rocha matriz, solo e vegetação) e histórico. Tudo que eu descrevi acima deve te ajudar nessa tarefa.

      Embora eu tenha reduzido o terreno aos seus componentes, você não pode simplesmente reduzir a natureza a suas partes e olhar para cada componente de maneira isolada sem levar em consideração como ele influência e é influenciado pelos outros.

      A forma reducionista de pensar que domina o mundo hoje em dia é perigosa, e embora ela tenha ajudado a ciência a progredir, você deve aderir a uma forma holística de pensar e de enxergar como os componentes se combinam para formar o todo na permacultura. Isso é particularmente verdadeiro quando se trata de entender o terreno a nossa volta, no qual todos elementos estão em interação constante com outros elementos.

      Com isso em mente, de maneira resumida, você deve prestar atenção nos seguintes elementos.

  • Padrões do tempo: exposição solar, direções e tipos de vento que dominam cada estação e padrões de precipitação.

  • Terreno: sua forma, elevação, ângulo e aspectos.

  • Rochas: tipos, formas e afloramentos.

  • Solo: seu perfil (camadas), textura, drenagem, PH, etc.

  • Vegetação: bioma, tipos de cobertura vegetal, camadas e diversidade, estágio de sucessão, espécies existentes.

  • Vida selvagem: a presença de superpredadores, a diversidade e tamanho da população de animais selvagens, pegadas, excrementos, sinais deixados pela alimentação.

 

 

VERSÃO EM INGLÊS: https://permacultureapprentice.com/how-to-read-the-landscape/

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload